UITP colocou o ônibus em foco em um painel que incluiu tecnologias limpas, financiamento, receita e contratos

Em sessão realizada em 23 de setembro de 2021, em formato virtual, e que fez parte da programação do Seminário Nacional NTU e Lat.Bus Transpúblico — Feira Latino-Americana do Transporte 2021, a União Internacional do Transporte Público (UITP), Divisão América Latina, desenvolveu um painel em que apresentou ações da Divisão de Ônibus da entidade internacional, mostrou os principais aspectos da Clean Bus Europe Platform, discutiu financiamento, fontes de receita, custos de ações sanitárias contra o coronavírus em três metrópoles da América Latina — Montevidéu, Santiago do Chile e Cidade do México — e também tratou da questão de regulamentação e contratos.

CAMPANHA ‘MOBILIDADE PARA A VIDA’

Antes da primeira conferência, foi apresentado um vídeo que marcou, um dia antes, 22 de setembro, o lançamento mundial da campanha da UITP intitulada Mobility for life (Mobilidade para a vida). Essa iniciativa busca evidenciar o papel do transporte público como elemento de coesão das sociedades e defende investimentos que permitam sua manutenção, expansão e inovação. Veja o vídeo aqui.

Essa campanha terá desdobramentos com uma série de encontros virtuais, um dos quais acontecerá durante as 24 horas do dia 26 de outubro de 2021, com sessões para cada fuso horário. Informações detalhadas da campanha podem ser encontradas aqui.

ÔNIBUS

O chefe da Divisão de Ônibus UITP, Arno Kenkhof, encarregou-se da apresentação sobre essa área de atuação da entidade, mencionando sua estruturação, a composição dos comitês de trabalho e as atividades relacionadas com os segmentos que compreende: ônibus urbanos, suburbanos e regionais – incluindo veículos de tração elétrica — e ‘ônibus aquáticos’.

A exposição mostrou que a atuação da UITP quanto aos ônibus abrange campos como a tecnologia de veículos limpos, planejamento da rede de BRT e segurança. Avança no terreno da avaliação comparativa (benchmark). E faculta aos associados acesso a um conjunto de relatórios de compartilhamento de informações especializadas e participação em ações significativas para o setor, do que é exemplo o Programa de Trabalho UITP Covid-19.

Em um segundo momento da programação, o presidente honorário da UITP América Latina, o engenheiro e professor brasileiro Jurandir Fernandes, dialogou em inglês com o diretor corporativo de Operações do Avanza Grupo, da Espanha, e vice-presidente do Comitê de Ônibus da UITP, Antonio Garcia Pastor.

TECNOLOGIAS LIMPAS

No terceiro segmento do programa, Aida Abdullah, gerente de Projetos Sênior, Departamento de Conhecimento e Inovação da UITP, fez uma apresentação sobre a plataforma europeia de ônibus limpo. A apresentação teve por título Clean Bus Europe Platform: Rumo à transição energética e à descarbonização das frotas.

A conferencista fez inicialmente uma contextualização geral, assinalando que o transporte urbano representa 40% das emissões de CO2 e que o setor de ônibus pode contribuir para reduzir as emissões. 

Aida Abdullah salientou que a UITP defende e trabalha para oferecer transporte público sustentável, baseado em tecnologias limpas., com um projeto estratégico voltado para a cooperação. E a Clean Bus Europe Platform como motor de implantação.

REMUNERAÇÃO E FINANCIAMENTO

Com a coordenação de Eleonora Pazos, três operadores de ônibus da América Latina trataram do tema do modelo de remuneração e das fontes de financiamento na América Latina.

Participaram Álvaro Santiago, vice-diretor geral da empresa CUTCSA, de Montevidéu, Uruguai; Andrés Vilches, sub gerente de Estudos sobre Ônibus da empresa Metbus S.A., de Santiago, Chile, e Nicolás Rosales, presidente da Associação Mexicana de Transporte e Mobilidade (AMTM).

Eles mostraram que nas respectivas metrópoles ainda não houve uma recuperação de demanda satisfatória o mesmo acontecendo com o volume de ingressos tarifários, que em alguns casos compõem parte da receita, mas em outros casos representam o total dos recursos auferidos pelos transportadores. Eles também se mostraram preocupados com o custo dos investimentos em ações sanitárias contra a disseminação do coronavírus.

REGULAÇÃO E CONTRATOS

Richele Cabral, diretora de Mobilidade Urbana da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), coordenou o último segmento do debate, sobre o tema Regulação e contratos: o cenário brasileiro e internacional.

Também participaram Otávio Vieira da Cunha Filho, presidente executivo da NTU, Brasil, e Caio César Figueiroa, sócio de Infraestrutura e Regulação no escritório Cordeiro, Lima e Advogados.

No início do segmento, Richele Cabral lembrou que coincidentemente aquele debate se fazia um dia após o senador Antonio Anastasia ter apresentado no Congresso Nacional projeto de lei (PL 3278/2021) que atualiza e moderniza o marco legal da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Veja matéria sobre este tema aqui.

Um dos pontos centrais da discussão sobre contratos é justamente a segurança jurídica desse instrumento. Caio César Figueroa afirmou que em contratos de longo prazo é impossível que se faça a previsão dos impactos que o documento poderá sofrer. E acrescentou que a ideia de mutabilidade e flexibilidade do contrato garante a sua segurança jurídica.

Veja também

Por