No primeiro dia da ‘LatinAmerica Week 2022 – Hybrid Experience’, da UITP, debates sobre o papel central do transporte público em um cenário de crise

Ester Litovsky, presidente da UITP América Latina

MÁRCIA PINNA RASPANTI

A importância do transporte público em um cenário de crise causada pela pandemia e por conflitos internacionais foi destacado por Mohamed Mezghani, secretário-geral da UITP, abriu o evento internacional LatinAmerica Week 2022 — Hybrid Experience, em sua etapa presencial.

As sessões presenciais estão acontecem no CBB – Centro Britânico, em São Paulo, Brasil e prosseguem na terça-feira, 7 de junho.

Nos dois dias seguintes, quarta-feira, 8 de junho e quinta-feira, 9 de junho, as sessões gravadas serão transmitidas pela Internet.

A partir de sexta-feira, 10 de junho, o conteúdo apresentado na reunião mais um conjunto de 40 conferências adicionais, estarão disponíveis aos interessados.

PAPEL DO TRANSPORTE PÚBLICO

“O transporte público é a única forma de evitar o colapso nas cidades. Precisamos pensar em formas de superar os grandes desafios no que se refere à mobilidade. Nesta edição do encontro, temos mais clareza que no ano passado”, comentou Mohamed Mezghani

Ele abordou alguns pontos fulcrais relativos ao transporte público que podem, não apenas ajudar a superar as dificuldades, mas permitir que se aproveitem as oportunidades que a crise trouxe para revitalizar o setor: novos modelos de financiamento, descarbonização, inclusão social, valorização do espaço público e das áreas urbanas, e digitalização.

Ester Litovsky, presidente da UITP, Divisão da América Latina, lembrou que as empresas do setor vivem uma série de dificuldades causadas pela queda da demanda, acelerada com a pandemia. “A questão é como administrar os custos nesse contexto. Temos a oportunidade e a responsabilidade de melhorar os sistemas de transporte, mostrando como o transporte público, a espinha dorsal da mobilidade urbana, pode contribuir com a melhoria da qualidade de vida da população”, disse.

PESQUISA EM METRÓPOLES

A UITP fez uma parceria com o Moovit para realizar uma pesquisa em 11 cidades latino-americanas, com 17,4 mil usuários do transporte público. São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília foram as cidades brasileiras pesquisadas.

Alguns dados chamam atenção: atualmente 79% usam transporte público entre os usuários ouvidos, enquanto antes da pandemia esse percentual era de 91% — houve, portanto, uma queda de 12%; e cerca de 40% dos que usam o sistema atualmente não se sentem seguros no transporte coletivo devido à Covid-19.

DIGITALIZAÇÃO E PROTEÇÃO DE DADOS

Néstor Roa, chefe da divisão de transportes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), falou sobre a transformação digital no transporte da América Latina e do Caribe, enfatizando a importância das alianças entre o poder público e a iniciativa privada para a digitalização.

A primeira mesa redonda do dia discutiu a digitalização no transporte público, em um contexto de baixa demanda.

A moderação da de sessão foi de Leandro Alliseda, diretor sênior de Setor Público da provedora global de soluções para transporte público SWVL.  A sessão reuniu Dimas Barreira, presidente do Sindiônibus, de Fortaleza, Brasil, e Vicente Torres, diretor da Urbvan, do México, e também Edmundo Pinheiro, presidente do Grupo HP Transportes Brasil, que falou sobre o lançamento, em agosto próximo, na cidade brasileira de Goiânia, do Citybus 3.0, um serviço de transporte por demanda, integrado e complementar ao transporte convencional.

Caio César Figueroa e Leonardo Cordeiro, do escritório de advocacia Lima e Advogados, apresentaram os resultados do trabalho do grupo de estudos Geaprodam na América Latina, no biênio 2021-2022, e lançaram oficialmente o Manual de boas práticas de proteção de dados no setor de transporte público.

MINISTROS DE CHILE E COLÔMBIA

A sessão denominada A voz dos políticos nacionais: estratégias, políticas e financiamento sustentáveis e de mudança contou com a participação de Juan Carlos Munõz, ministro de transporte e comunicações do Chile, no cargo há menos de três meses, e Ángela Orozco, ministra do transporte da Colômbia. “Criamos uma legislação especial para levar recursos para o transporte público durante a pandemia, com novas formas de financiamento”, assinalou a ministra colombiana.

DEMANDA NOS METRÔS

Houve ainda uma sessão com o tema Recuperação da demanda e investimento em sistemas ferroviários, com moderação de Jurandir Fernandes, presidente honorário da UITP América Latina, e participação de Ester Litovsky, presidente da UITP e representante da Emova, de Buenos Aires (Argentina); Milton Gioia, do Metrô de São Paulo (Brasil); Guilherme Ramalho, do Metrô Rio (Brasil); e Carlos Aguello, do Metro de Medellín (Colômbia).

“A pandemia trouxe impactos permanentes na demanda de passageiros, mas não sabemos qual extensão deles. Estamos com 75% de demanda pré-pandemia atualmente”, afirmou Ramalho.

“Devemos alcançar uma demanda 90% a 95% do que havia antes da pandemia apenas em 2024, mas sabemos que 5% a 10% dos passageiros ou das viagens não voltarão”, comentou Milton Gioia.

MELHORAR OS ÔNIBUS

A sessão sobre o tema Estratégias para melhorar os sistemas de ônibus e BRT através de investimentos tecnológicos contou com a presença de Álvaro Santiago, da CUTCSA Uruguai; Luciano Fusaro, gerente regional de relações técnicas da Nueva Metropol, da Argentina; Luis Campana, da MiBus Panamá, e Nicolas Rosales, presidente da Associação Mexicana de Transporte e Mobilidade (AMTM).

“É cada vez mais necessário o investimento em mobilidade urbana, com foco principalmente nas cidades inteligentes, visto que o tema já vem sendo debatido há mais de uma década. Neste contexto, precisamos saber exatamente o que fizemos ao longo deste tempo para entregar resultados concretos para os sistemas, especialmente BRT e corredores de ônibus, para que, como uma empresa que é líder mundial nesse segmento, possamos mostrar o papel importante que as tendências de digitalização e inovação têm neste processo”, observou Romano Garcia, da Goal Systems, moderador da sessão.

EXPERIÊNCIA DO CLIENTE

A Gestão organizativa e experiência do cliente  foi outro tema abordado no encontro. A moderação foi de Valeska Perez Pinto, da UITP; com a participação de Jonathan Mazon, da Junqueira e Advogados; Roberta Cipoloni Tiso, da Green 4T; e Rodrigo Magalhães, da Shark Comunicação Digital.

SEGUNDO DIA

No segundo dia, os tópicos em foco serão os seguintes:

  • Vitoria – Espírito Santo (Brasil): porque é uma história de sucesso.
  • Santiago do Chile e a mobilidade.
  • A voz dos políticos locais: o papel das cidades no cumprimento da Agenda 2030, apostando na mobilidade sustentável – moderada por Dionísio González, diretor de Advocacy da UITP e prefeitos de três metrópoles latino-americanas: Carolina Cosse (Montevidéu), Ricardo Nunes (São Paulo, Brasil) e Óscar Rodríguez (Assunção, Paraguai).
  • A voz dos peritos, uma mesa redonda de Secretários da Mobilidade na América Latina, com três painéis sucessivos.
  • Financiamento: Como fazer melhor com os recursos que temos?
  • Eficiência energética e mobilidade: e-bus.
  • Gestão do sistema de pagamento

A sessão de encerramento será conduzida por Ester Litovsky, Presidente da UITP, Divisão das Américas.

Veja também

Por