Governo do Equador lança concurso internacional para concessão do primeiro trecho do Trem Praiano, entre as cidades de Daule e Posorja

Em 10 de maio de 2019, o governo do Equador lançou em Guayaquil um concurso público para a concessão corredor ferroviário Daule-Posorja, correspondente ao primeiro trecho do Trem Praiano, um dos projetos de infraestrutura e conexão multimodal.

O objetivo do governo é começar com esse empreendimento de 115 quilômetros sob a modalidade contratual denominada Projeto, Construção,Operação, Transferência ou, em inglês, Design, Build, Operate and Transfer (DBOT).

Esta nova linha ferroviária cruzará parte da costa equatoriana e espera-se que se torne um marco histórico para o desenvolvimento econômico e turístico do país. Segundo os estudos, nesta primeira etapa, será possível mobilizar quatro milhões de toneladas de mercadorias por ano.

O presidente da República, Lenin Moreno, disse que o concurso para as fases 2 e 3 será aberto em breve, considerando as seções Posorja-Santa Elena e Santa Elena-Manta.

Estima-se que este trabalho gere pelo menos 1000 empregos durante a fase de construção e 2000 quando em operação, e que impulsionará a economia do setor, atraindo novos capitais, tornando-se ponto estratégico de vínculos produtivos.

O governo aponta as vantagens do projeto em termos de eficiência na mobilização de cargas, redução de emissões de gases de efeito estufa, versatilidade na mobilização de diversos produtos e confiabilidade devido à minimização de atrasos nas entregas de cargas.

CARACTERÍSTICAS

A primeira fase do Trem Praiano tem 115 km de extensão e considera duas estações, uma em Daule e outra em Posorja; além de um túnel de 4.475 m de comprimento com um desenho resistente a sismos.

Esse transporte terá 30 vagões tipo plataforma por trem e transportará até 600 toneladas por viagem. Ele terá cinco locomotivas que se deslocam a uma velocidade média de 40 a 60 km/h em um sistema monovia com passagens intermediárias.

De acordo com estimativas do Ministério dos Transportes e Obras Públicas, o projeto ferroviário exigirá um investimento de USD 370 milhões para a construção da estrada, incluindo o túnel de 4,5 quilômetros, estações e locomotivas. Além disso, espera-se que a concessionária aloque mais USD 156 milhões para sua operação e manutenção durante a vigência do contrato.

Veja também

Por