14,23 milhões de dólares para incluir a bicicleta na rede de mobilidade e fomentar seu uso seguro na Cidade do México

No final de abril, o Governo da Cidade do México anunciou que, durante o ano de 2019, será realizado um investimento de 271 milhões de pesos (USD 14,23 milhões) para melhorar a infraestrutura cicloviária, criar ‘biciestacionamentos’ e promover a cultura da bicicleta. Os atuais governantes da cidade fizeram questão de ressaltar que este valor excede o investimento feito pelo governo anterior, que foi de 239 milhões de pesos (USD12,55 milhões).

O entendimento do governo é que ter uma infraestrutura maior e melhor para bicicletas na metrópole contribui para a criação de um sistema que faça parte da mobilidade integral sustentável na Cidade do México.

A idéia da administração é continuar promovendo o uso da bicicleta, transporte não-motorizado, a partir de um programa integral e não com esquemas isolados, de maneira que uma pessoa possa mudar o modo de transporte para seguir viagem: deixando a bicicleta para continuar de metro, Metrobús, ônibus ou outros modos.

A prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum Pardo, e outras autoridades da capital fizeram um passeio de bicicleta por uma das principais avenidas da cidade.

Ela disse que o uso de bicicletas na Cidade do México é essencial para os habitantes da metrópole, portanto, é necessário promover a conscientização, a cidadania e a segurança viária entre pedestres, ciclistas e motoristas.

Disse ainda que a bicicleta é um transporte que não polui e permite atividades que promovem a saúde, além de gerar uma experiência diferente da cidade.

INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA

Por seu turno, a Secretaria de Mobilidade informou que, durante o ano de 2019, haverá a criação e melhoria da infraestrutura cicloviária em um total de 85 quilômetros, no centro e sudeste da Cidade do México.

O objetivo é continuar conectando os transportes públicos, integrando a rede de ciclovias aos transportes públicos, para garantir a qualidade e os tempos de deslocamento das pessoas que fazem longas viagens diárias em transportes públicos, considerando que a bicicleta é um complemento nessas viagens.

Foi explicado que atualmente a capital do país possui 35 quilômetros de infraestrutura cicloviária na zona central. Para conectar as rotas existentes com as que serão implantadas, de modo a estabelecer uma rede para as pessoas que utilizam a bicicleta, outros 35 quilômetros serão construídos em áreas periféricas da metrópole.  Essa infraestrutura adicional estará conectada com estações dos Sistemas de Transporte Coletivo (STC), metro e trem, para facilitar o uso do transporte público.

O plano é fazer adaptações no Eixo Central viário da cidade para que as bicicletas e os trólebus possam compartilhá-lo, e isso estabelecerá um trecho extra de 15 quilômetros de rotas para as bicicletas. E, para garantir que as bicicletas de fato participem da mobilidade integrada, nos terminais de metrô mais importantes serão implantados bicicletários de grande porte.

Também está prevista a criação de ‘biciestacionamentos’ nas estações de metrô Martín Carrera e Buenavista, que terão vigilância policial e por vídeo 24 horas por dia e cuja utilização será gratuita.

Como parte dos compromissos assumidos pelo Governo da Cidade do México com os usuários de bicicletas, está prevista a implantação de um caminho compartilhado com quase três quilômetros na Avenida Paseo de la Reforma, permitindo que pedestres e os ciclistas realizam seus deslocamentos com segurança.

Veja também

Por