Guia orienta sobre escolha de tecnologia e implantação de projetos de transporte

Dentro da ideia geral de qualificação dos sistemas de transporte urbano – levando em conta, sobretudo, a escolha do modo de transporte e dos sistemas adequados para cada caso, no início de maio de 2018, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o  Ministério das Cidades eo Banco de Desenvolvimento Alemão (KfW) lançaram o Guia TPC – Orientações para seleção da tecnologia e implementação de projetos de transporte público coletivo, elaborado pela empresa Oficina Engenheiros Consultores Associados, uma das mais experientes do país.

Os realizadores explicam que a publicação, de 134 páginas, se propõe a responder algumas das perguntas mais significativas quando da implantação de um novo sistema de transporte de massa. Tais indagações se referem ao tipo de tecnologia a ser escolhida – se BRT, VLT ou metrô—, à diferença entre um corredor e uma faixa exclusiva de ônibus, ou sobre como conseguir financiamento para o projeto ou, ainda, se a operação será estatal, por concessão ou por Parceria Público-Privada (PPP).

O Guia TPC está estruturado em três capítulos e três conjuntos de anexos. O primeiro capítulo trata da caracterização de sistemas de transporte público coletivo, considerando o universo de sistemas, conceitos básicos de implantação de rede, sistemas de transporte público coletivo por ônibus (faixa exclusiva à direita, corredor central, faixa exclusiva à esquerda, Bus Rapid Transit –BRT), sistemas de transporte sobre trilhos (Veículo Leve sobre Trilhos – VLT, monotrilho, metrô e trem urbanoe quadro síntese e exemplos) e outros sistemas de transporte público (teleférico, barcas, aeromóvel  e um quadro geral dos sistemas).

O segundo capítulo trata do processo de seleção dos sistemas de transporte público coletivo, considerando três etapas: determinação das possíveis alternativas de transporte, comparação das alternativas (atributos associados a cada grupo de atores e matriz de decisão) e definição da alternativa mais adequada considerando outros condicionantes.

A implementação de projetos de transporte público coletivo é assunto do terceiro e último capítulo. Nessa parte, é oferecida uma visão geral do processo e são abordadas as atividades associadas ao nível estratégico, levando em conta motivação, diagnóstico e o Plano de Mobilidade Urbana (exigência da Lei 12.587/12), seleção do sistema de transporte, projeto funcional  e seleção de modelo de prestação de serviço 171. São também abordadas as atividades associadas ao nível executivo, considerando adequação da rede, financiamento, projeto e implantação da infraestrutura, estruturação operacional e modelos de prestação dos serviços.

O primeiro conjunto de anexos oferece uma descrição dos atributos dos sistemas de transporte público coletivo. O segundo conjunto diz respeito à montagem da matriz de decisão. Orientação para o projeto funcional é o objetivo do terceiro e último conjunto de anexos. Veja a publicação.

Veja também

Por