Transporte de cargas com baixa emissão de carbono

Quatro cidades e uma região metropolitana sul-americanas recebem apoio do projeto internacional EcoLogistics – Transporte de Carga de Baixo Carbono para Cidades Sustentáveis.

Quatro cidades e uma região metropolitana latino-americanas – Rosario e Santa Fe, na Argentina, e Bogotá, Manizales e a Área Metropolitana do Valle de Aburrá, na qual se situa Medellín, na Colômbia – foram anunciadas em junho como as escolhidas sul-americanas para receberem apoio do projeto internacional EcoLogistics – Transporte de Carga de Baixo Carbono para Cidades Sustentáveis.

O objetivo desse projeto é dar suporte ao desenvolvimento de soluções sustentáveis para o transporte da carga urbana, com impactos positivos sobre políticas e planos nacionais e locais nesse setor. Também foram escolhidas as cidades indianas de Kochi, em Kerala; Panaji, em Goa, e Shimla, em Himachal Pradesh. O anúncio foi feito durante o Congresso Mundial ICLEI 2018, realizado de 19 a 22 de junho, em Montreal, Canadá.

O ICLEI foi criado 1990, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, Estados Unidos, com a denominação de Conselho Internacional para Iniciativas Ambientais Locais (a sigla, mantida, vem desse nome em inglês). Atualmente, a organização denomina-se ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade e se declara a principal associação mundial de cidades e governos locais dedicados ao desenvolvimento sustentável. Trata-se de um movimento que envolve 12 megacidades, 100 supercidades, 450 grandes cidades e regiões urbanas, bem como de 450 cidades de pequeno e médio porte em 83 países.

Questão ambiental. De acordo com informe do ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade, atualmente, o transporte de carga urbano representa até 25% de veículos que circula nas cidades, ocupa 40% do espaço viário motorizado e contribui com até 40% das emissões de CO2 (dióxido de carbono) relacionadas com o transporte urbano.

O transporte urbano de cargas inclui uma ampla variedade de serviços, desde caminhões de coleta de lixo até caminhões voltados para obras de construção ou caminhões comerciais. Hoje, um número crescente de cidades está incluindo a carga urbana em seus planos para reduzir suas emissões.

O informe salienta que, em nível mundial, observa-se que, com frequência, o setor de transportes é o mais intensivo quanto a emissões de gases de efeito estufa no contexto urbano.

Financiamento e objetivos. Financiado pela organização Iniciativa Climática Internacional, do Ministério Federal do Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear (IKI/BMU), da República Federal da Alemanha, o projeto envolverá os governos da Argentina, Colômbia e Índia e será desenvolvido nos próximos quatro anos (2018-2021).

Nesses quatro anos, as cidades participantes receberão apoio técnico e metodológico para desenvolver diagnósticos atualizados referentes ao transporte urbano de cargas, introduzir ferramentas de monitoramento de emissões no setor, e estabelecer grupos de trabalho com múltiplos atores para a discussão.

Para o horizonte do ano de 2021, o objetivo é que as oito cidades tenham efetivado projetos pilotos demonstrativos, reúnam informações para analisar tendências futuras e que, por fim, possam desenvolver ou influir na elaboração de políticas locais e nacionais para direcionar o tema, alinhadas com as políticas de clima e resiliência.

Perspectivas dos participantes. As cidades declaram no informe suas intenções ao participar do projeto. Santa Fe quer explorar as sinergias entre o setor de transporte de cargas com os planos de resiliência e gestão de riscos já desenvolvidos pela cidade.

Identificar boas práticas e diretrizes internacionais sobre transporte de carga urbana é uma das motivações da Área Metropolitana do Valle de Aburrá (AMVA) ao integrar o projeto.

Bogotá manifestou ser essencial desenvolver ações coletivas que melhorem as condições de mobilidade e aumentem a eficiência logística, com envolvimento de atores privados e públicos trabalhando conjuntamente.

A cidade de Rosario, que representa um importante centro logístico por ser una região portuária, principalmente para o escoamento da produção de grãos, quer abordar o tema de transporte de cargas urbana principalmente pelo enfoque metropolitano.  A cidade atrai uma quantidade de viagens maior do que a que gera, razão pela qual a dinâmica e a visão metropolitana é muito importante para as autoridades urbanas do setor, principalmente com relação aos veículos de transporte de grãos que chegam ao porto.

O Congresso Mundial ICLEI 2018 marcou o início oficial do projeto, quando representantes das cidades selecionadas se reuniram pela primeira vez, para compartilhar o estado inicial de suas cidades com relação à ‘ecomobilidade’ e transporte de carga urbana.

Veja também

Por