Em entrevista para Technibus, Estefano Boiko Junior, vice-presidente das empresas brasileiras de transporte de passageiros Viação Garcia e Brasil Sul, fala sobre como os clientes se beneficiam da loja no metaverso

Estefano Boiko Júnior

“Em pouco tempo não bastará vender o bilhete de passagem, mas será imprescindível oferecer a experiência. Para a Viação Garcia, inovar já não é mais uma tendência, mas uma necessidade. O cruzamento da experiência virtual com o mundo real – o chamado ‘pós-digital’ – está aí, mais próximo do que muitos imaginam”, disse Estefano Boiko Junior, vice-presidente da Viação Garcia-Brasil Sul, à revista Technibus.

O executivo acrescentou: “O objetivo da nossa loja no metaverso é vender experiência ao cliente, tanto na etapa decisória da compra da passagem como também ao oferecer a oportunidade de ingressar na loja virtual através dos óculos de realidade virtual ou por computador, pelo nosso site”.

Technibus – O que levou a Viação Garcia a investir no metaverso?

Estefano Boiko Junior – Durante a pandemia cresceu muito a procura por ferramentas online, inovadoras e imersivas. Hoje as gerações mais novas já têm a vivência com o metaverso através de games como Roblox e Fortnite e também nas escolas e universidades, com aulas com experiências virtuais. É uma tendência crescente. Em 2021, o Facebook mudou o nome para Meta e colocou em evidência o metaverso, com grande procura por empresas dispostas a investir neste novo mundo. Passamos a pesquisar mais sobre o assunto e a respeito das empresas voltadas a este negócio e, assim como grandes marcas mundiais, tal qual Nike e Gucci, a Viação Garcia ingressou, de modo pioneiro em seu segmento, no metaverso.

Technibus – Como funciona a loja da empresa no metaverso? Tem havido muita procura por parte dos usuários?

Estefano Boiko Junior – Por meio de um avatar, o usuário tem a visão em 360 graus do ambiente, pode conhecer o interior do ônibus e ter a experiência do serviço semileito, leito plus e cabine cama. Há a possibilidade de observar em detalhes as poltronas e decidir em qual serviço prefere viajar, além de experimentar o jogo de “arco e flecha”, acertando o alvo dos principais destinos da empresa e definindo a “sua próxima viagem”. Além disso, há a opção de entrar no Museu Histórico da Garcia, com sede física em Londrina (PR). A loja estimula o desejo de viagem e reforça, com uma ótima experiência de compra virtual, o conceito do serviço: “A experiência é virtual e o conforto é real”. Como toda nova tecnologia, o metaverso demanda algum tempo para ser incorporado ao dia a dia das pessoas, o mesmo aconteceu com as moedas digitais e, em um passado não tão distante, até mesmo com a internet.

Technibus – Quais os planos da empresa para essa nova tecnologia?

Estefano Boiko Junior – O objetivo da nossa loja no metaverso é vender experiência ao cliente, tanto na etapa decisória da compra da passagem como também ao oferecer a oportunidade de ingressar na loja virtual através do óculos de realidade virtual ou por computador (veja aqui).

Technibus – Como o metaverso pode ser útil para as empresas de transporte?

Estefano Boiko Junior – O metaverso pode facilitar a decisão do cliente, apoiando-o na escolha da modalidade de serviço que deseja para a sua viagem e do destino, além de permitir que ele conheça mais sobre a empresa.  Temos convicção de que devemos estar à frente destes avanços e não só aproveitarmos as suas potencialidades, mas contribuirmos para difundi-los e oportunizar para serem estendidos a seus clientes. Sabemos que, logo, a maioria das empresas estará neste mundo novo das experiências imersivas. Por outro lado, para as novas gerações esta já é uma realidade e estes serão, em pouco tempo, os nossos consumidores.

Technibus – A Viação Garcia também começou a atuar com criptomoeda em 2018. Como tem sido a experiência?

Estefano Boiko Junior – A empresa iniciou em junho de 2018 a venda de passagens online via criptomoedas, após pesquisa e análise das relações financeiras deste mercado. Optou-se, em um primeiro momento, por utilizar Bitcoin (BTC), a moeda virtual mais conhecida hoje no mercado. Em agosto de 2018, outras duas criptomoedas passaram a ser aceitas: a BitcoinCash e a Litecoin, abrindo um leque ao usuário. Atualmente voltamos a aceitar apenas Bitcoin, pois é a criptotomoeda mais conhecida e segura no país. No mundo, a Viação Garcia e Brasil Sul foram as primeiras empresas de transporte de passageiros a aceitar a criptomoeda como forma de pagamento. Embora ainda sejam poucas as pessoas que utilizam este sistema de moeda virtual, a implantação da inovação teve o objetivo de oferecer mais uma alternativa aos clientes e buscar atender novos nichos de mercado, reforçando a característica de vanguarda da empresa em seu segmento.

Technibus – Que outras tendências em termos de tecnologia devem chegar ao mundo dos transportes?

Estefano Boiko Junior – Em pouco tempo não bastará apenas vender o bilhete de passagem, mas será imprescindível oferecer a experiência. Para a Viação Garcia, inovar já não é mais uma tendência, mas uma necessidade. O cruzamento da experiência virtual com o mundo real – o chamado “pós-digital” – está aí, mais próximo do que muitos imaginam. A empresa começa a efetivar negócios neste admirável mundo, alcançando um novo público muito seletivo que busca novos meios tecnológicos e inovadores.

Veja também

Por