A edição 22 da revista Transporte y Ciudad – Foro de la Movilidad, publicada pela Associação Mexicana de Transporte y Mobilidade (AMTM), destaca que o transporte público está em risco naquele país, exigindo atenção imediata.

Está disponível a Edição 22 da revista Transporte y Ciudad – Foro de la Movilidad, recentemente laçada pela Associação Mexicana de Transporte e Mobilidade (AMTM).

Em sua versão virtual, esta publicação pode ser acessada no site da AMTM por um link no final deste artigo.

O transporte público está em risco. Urgente atenção imediata‘ é o título da capa. O texto explica que desde 2021 especialistas e transportadoras destacam a crise que afeta o transporte público em todo o México, enfatizando que esta é uma situação que vem ocorrendo desde antes e que, com a pandemia, impõe-se a necessidade de um programa de resgate para o setor.  

Diz a matéria que, para identificar as necessidades do setor, a AMTM e a organização não governamental World Resources Institute (WRI) realizaram uma série de reuniões com líderes do setor de transportes de 18 estados mexicanos, visando compreender as necessidades do setor de transportes, suas propostas para superar a crise e seu compromisso.

Da mesma forma, o relatório central da edição, com o título Transporte público está nas cordas em todo o país, traz uma avaliação das perdas do setor de transporte público no México após a pandemia, relata um levantamento dos principais problemas experimentados pelo setor de transporte público. As soluções desses problemas devem necessariamente envolver o governo do país, sendo que, na opinião dos transportadores, esta representação nacional do segmento deve ser exercida pela Associação Mexicana de Transporte e Mobilidade (AMTM).

O presidente da AMTM Nicolás Rosales Pallares assina o editorial, intitulado Repensar e inovar os serviços de transporte.

A revista apresenta o tema O transporte público não é uma causa de contágio, destacando que, segundo a União Internacional de Transporte Público (UITP), estudos internacionais demonstraram que o transporte não é uma fonte de contágio Covid-19, dado que as empresas ou transportadoras tiveram que cumprir com as medidas sanitárias correspondentes impostas pelas autoridades.

Um realce da edição é a entrevista com Mario Silva, diretor-geral do Instituto de Planejamento Metropolitano da Área Metropolitana de Guadalajara, no estado mexicano de Jalisco.

Outros tópicos na edição são: Redefinindo e transformando a mobilidade, Indo para um tipo diferente de sistema governamental e O ônibus integral da Scania CityWide está em testes para a nova plataforma elétrica Scania Volt.

Também os textos: Apostando em novos esquemas financeiros para o transporte; o México enfrentando o desafio da mobilidade inclusiva com uma visão de gênero; PPPs: o futuro para o desenvolvimento do transporte e da mobilidade.

E dois outros textos. Um deles, intitulado “São necessários mais observatórios de mobilidade cidadã obrigatórios”, diz respeito aos órgãos encarregados de observar o funcionamento correto de certas ações desenvolvidas pelos governos.

Outro, Tendência a uma mobilidade conectada, discute o fato de que, no México, oito em cada 10 usuários utilizam o serviço oferecido através de aplicativos digitais como sua melhor opção de mobilidade; as principais razões são segurança, conveniência e conforto em comparação com o transporte público tradicional ou “de rua”.

Baixe a publicação

Veja também

Por