A recepção das obras acontecerá junto com a pré-operação do Metrô de Quito, até outubro de 2021

A gerente geral da Empresa Pública Metropolitana de Quito, Andrea Flores, entregou nesta primeira semana de fevereiro de 2021 um relatório situacional sobre o andamento das obras civis e pendências anteriores à operação comercial do novo subsistema.

O documento, que pode ser baixado no link ao final desta nota, apresenta os seguintes percentuais de andamento: Sinalização Ferroviária (83,62%), Energia – Subestações elétricas (92,25%), Energia – Distribuição de energia (93,69%), Energia – Eletrificação (97,94%), Elevadores e Escadas rolantes (96,95%), Proteção contra incêndio (62,21%), Ventilação (71,74%), Telecomunicações (68,52%), Controle de estação (62,37%), Posto de controle central (46,86%).

De acordo com o pronunciamento da gerente geral, embora o início da entrega da obra esteja previsto para o final de março e a sua conclusão em outubro, isso não constitui limitação para o início da fase de pré-operação.

Ela disse: “A fase de testes funcionais, liberação de garantias e inclusão da mercadoria entregue ao patrimônio da cidade serão realizadas em conjunto ao longo de 2021.”

TRANSPARÊNCIA

Andrea Flores destacou que para o Município de Quito e para a Gerência Geral é prioritário dar transparência às informações, estabelecer um roteiro e trabalhar com foco em um Sistema Integrado de Transporte.

Disse a responsável: “A cidade está trabalhando em uma reestruturação do transporte público, o Metro de Quito faz parte disso e, por isso, os nossos constituintes devem conhecer os detalhes do planejamento dos serviços”.

MODELO DE CONTRATAÇÃO

No que se refere ao modelo de contratação da Gestão da Empresa Pública Metropolitana Metro de Quito, são analisadas duas alternativas vinculadas ao arcabouço legal e às competências da Empresa.

A primeira é a operação através da assistência técnica internacional que acompanha o Metro de Quito tanto na fase de pré-operação como na operação, até a capacidade técnica para gerenciá-lo com autonomia é obtida. A segunda alternativa é contratar uma operadora para dar início ao Metrô de Quito e pagar pela prestação dos serviços.

Previamente à tomada de decisão, de acordo com a gerente geral, a Empresa Pública Metropolitana de Quito trabalha na elaboração de relatórios jurídicos, financeiros e técnicos que permitirão à Diretoria estabelecer a definição do modelo de contratação e assim cumprir o cronograma planejado.

“Significa que, em dezembro de 2021, o cidadão pode acessar e testar o serviço do Metrô como preâmbulo da operação comercial”, concluiu.

Acessar o informe

Veja também

Por