Outras opções

O Ministério de Transportes e Telecomunicações do Chile (MTT) informou na terceira semana de maio que foi aprovado um decreto que permite aos transportadores escolares realizarem outras tarefas, como a transferência de suprimentos médicos e outros tipos de mercadorias. A mudança procura aliviar o impacto que as suspensões e quarentenas de classes geraram para eles.

A declaração do Ministério indica que, com o objetivo de aliviar o impacto que as quarentenas e a suspensão das aulas tiveram para os transportadores escolares, buscou-se a aprovação de um decreto que permita ampliar o escopo desses serviços.

QUASE 30 MIL CONDUTORES

Essa modificação beneficiará 29.950 motoristas matriculados no Registro de Transporte Escolar em março deste ano. Destes, 8.078 são mulheres e 21.549 são homens. Além disso, existem 26.950 veículos registrados, correspondentes a 6.986 ônibus e 19.964 microônibus, com capacidade total de transporte de 532.560 pessoas em todo o país.

COMENTÁRIOS

A alteração aprovada na Controladoria foi publicada no Diário Oficial. “A chegada do Covid-19 afetou economicamente os transportadores escolares, que viram uma diminuição significativa em sua renda mensal. Por isso, ampliamos as possibilidades desse item enquanto se mantém a suspensão de aulas no país. Com essa modificação já publicada, acreditamos que a associação entre diferentes atores é essencial para que eles possam trabalhar com transportadores escolares na transferência de caixas de Junji, suprimentos médicos e outros serviços necessários devido à pandemia “, afirmou o Ministro dos Transportes e Telecomunicações, Gloria Hutt.

O documento firmado na Controladoria em 23 de abril, a pedido das deputadas Paulina Núñez e Marcela Sabat, modifica os dois decretos que regulamentam o setor, que permitiam aos transportadores escolares realizar tarefas diferentes apenas durante as férias dos estudantes e com uma licença solicitada com 30 dias de antecedência

Veja também

Por