O primeiro curso da ALAMYS no Brasil sobre Big Data na Gestão de Ativos

A Secretaria Geral da Associação Latino-Americana de Metrô (ALAMYS) relata que entre 9 e 12 de março de 2020 em uma unidade do Serviço Nacional de Treinamento Industrial (SENAI), na cidade de São Paulo, aconteceu o primeiro curso no Brasil sobre Big Data em Gestão de Ativos, realizado em conjunto com as entidades associadas Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Associação de Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP) e Associação Nacional de Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos). Os instrutores eram profissionais da empresa alemã DB Engineering & Consulting.

Segundo os envolvidos, a atividade teve um impacto positivo nas equipes participantes dos filiados da ALAMYS. O tema é de grande importância hoje para o setor de transportes, principalmente para o setor metroferroviário, que detém uma grande quantidade de sistemas e um enorme tráfego de dados.

ATIVIDADES

 O primeiro dia do treinamento contou com a presença dos Presidentes, Diretores e Gerentes das diferentes operadoras brasileiras para uma apresentação conceitual ao tema, que foi conduzida pelo especialista da DB, onde foram tratadas as perspectivas para a gestão das empresas que oferecem as novas tecnologias.

 Durante os três dias seguintes, a divisão dos assuntos respeitou uma imersão gradativa ao ambiente de Big Data, que foi contextualizado com bons exemplos a partir da vivência da Deutsche Bahn e casos concretos trazidos pelo BID. Os instrutores demonstraram as técnicas de manutenção preditiva, o que foi muito construtivo para levar ao conhecimento de todos os participantes o estado da arte sobre o tema na Europa. O tema abordado foi de grande valia para os participantes, uma vez que permitiu identificar o caminho a ser percorrido para que as operadoras brasileiras possam obter resultados excepcionais.

 O treinamento também abordou os percalços e desafios a serem vencidos, bem como a importância de ter esse assunto em pauta nas empresas. Os instrutores enfatizaram a necessidade de se buscar maior conhecimento sobre as novas tecnologias, o que possibilitará a internalização de conhecimento nas empresas, contribuindo para uma melhor tomada de decisão na relação com fornecedores.

Foi discutida, ainda, a importância da centralização das informações, uma vez que, em geral, as empresas têm várias grandezas medidas que não conversam entre si, o que acaba não gerando um produto real, onde se consiga monitorar e realizar a gestão de todos os ativos. Por outro lado, os instrutores trouxeram exemplos práticos para demonstrar como o monitoramento dos ativos pode ser eficiente ao lidar, por exemplo, com o controle do fluxo de pessoas, o monitoramento das escadas rolantes etc.

 INTERCÂMBIO

A ALAMYS acredita que o treinamento proporcionou uma boa troca de experiencia entre os operadores brasileiros e permitiu explorar uma gama de futuras atividades e treinamentos a serem desenvolvidos, visando aprofundar aspetos específicos das novas tecnologias, incluindo o uso de Big Data para o planejamento de linhas e rede, ampliando assim o âmbito atual referente a gestão de ativos.

Veja também

Por