Nomes de mulheres para novas estações do Subte

O Governo da Cidade Autônoma de Buenos Aires convidou moradores e usuários da Linha E do Subte, o sistema de metrô, para propor e escolher os nomes de mulheres argentinas para nomear as três novas estações: Catalinas, Correo Central e Retiro. Na primeira etapa, entre 31 de maio e 7 de junho de 2019, as propostas foram recebidas por meio de formulário on-line, redes sociais e pessoalmente. Cerca de 9.000 participantes propuseram mais de 18.000 nomes

De acordo com o governo da capital argentina, apenas 17% dos espaços verdes públicos e 10% das ruas da cidade têm nomes de mulheres, de um total de 517 espaços e 872 ruas que se referem a homens e mulheres. “Esses números refletem uma longa história de desigualdade entre homens e mulheres. Um passo importante para mudaressa história é começando a usar na nomenclatura urbana nomes de mulheres para lançar as bases para uma mudança cultural e fortalecer a igualdade de gênero”, diz um texto da área de comunicação social do governo sobre este assunto.

Lola Mora (escultora), Cecilia Grierson (primeira argentina médica), Juana Azurduy (militar de origem indígena que participou das lutas pela independência de países sul-americanos), Mercedes Sosa (cantora), Alicia Moreau de Justo (médica, defensora dos direitos humanos) Tita Merello (atriz e cantora de tangos) e Alfonsina Storni (poetisa) entre muitas outras, foram algumas das candidatas propostas pelos moradores da Cidade de Buenos Aires.

Várias organizações civis também se juntaram à iniciativa e fizeram suas sugestões. Denominada Las de sistemas, uma comunidade feminista de mulheres, lésbicas e trans propôs o nome Norma Lijtmaer, pioneira em computação na Argentina, que participou ativamente da criação da Escola Latino-Americana de Ciência da Computação e também o nome de Elisa Bachofen, primeira mulher formada em engenharia civil na América do Sul. A organização Un día, una arquitecta, propôs o nome de Finlândia Pizzul, primeira mulher a ser formar nessa carreira na Argentina.

A próxima etapa será a seleção das listas que serão submetidas a votação. Grupos de trabalho colaborativos compostos por organizações da sociedade civil ligadas a questões de gênero, equipes do Governo da Cidade e moradores deliberarão sobre o tema durante a primeira quinzena de julho, buscando sensibilizar e conscientizar sobre a desigualdade de gênero e consenso para a eleição.

Por fim, uma votação será aberta através de todos os canais de comunicação do Governo da Cidade, para que os moradores possam escolher os nomes que levarão as novas estações da Linha E do Subte. Essa etapa final será realizada entre 26 de agosto e 2 de setembro, e os três vencedores serão apresentados pela Legislatura por meio de um projeto de lei.

Veja também

Por