Linha de passageiros entre Montevidéu e estação Sudriers

Com novas composições, sistema ferroviário retomará a linha de passageiros entre Montevidéu e Sudriers (Empalme Olmos).

A Presidência da República do Uruguai e a Administração de Estradas de Ferro do Estado (AFE) daquele país informaram que, a partir de 15 de setembro de 2018, o sistema ferroviário retomará a linha de passageiros entre Montevidéu e a estação Sudriers, em Empalme Olmos, Canelones, a aproximadamente 35 quilômetros ao norte da capital. Esse serviço estava suspenso desde 2012.

O trem se incorporará ao Sistema Metropolitano de Transporte (STM), segundo anunciou o presidente da AFE, Wilfredo Rodríguez. Esta medida permitirá que o usuário, com o mesmo cartão, possa realizar os pagamentos do transporte por ônibus e por trem. E, ainda, os usuários poderão usar nos trens de passageiros o bilhete de uma hora, de duas horas e o metropolitano.

O dirigente informou que na linha serão utilizados veículos dotados de ar condicionado, conexão gratuita com a Internet e banheiros. A composição permitirá o transporte de mais de 70 passageiros por carro. A linha deverá ganhar novas paradas para melhorar o acesso ao transporte.

As autoridades governamentais ainda não divulgaram as características do novo serviço de trens, mas, em julho, o jornal uruguaio El País, citando um diretor da AFE, informou que se pensava em dois trens diários, saindo de Empalme Olmos em direção a Montevidéu às 6h30 e 7h30 e retornando às 17h30 e 18h30. Nessa concepção, haveria paradas nas localidades de Toledo, Suárez e Pando. A tarifa seria de aproximadamente 50 pesos (USD 1,55).

Os novos trens serão operados por pessoal da AFE. Rodriguez explicou que uma nova legislação em vigor estabeleceu as funções da AFE, incluindo infraestrutura, construção, manutenção e reparação de vias e, por outra parte, o transporte de passageiros.

Locomotivas recuperadas. O pronunciamento de Wilfredo Rodríguez aconteceu em 21 de agosto de 2018, nas oficinas do bairro Peñarol (origem do nome do famoso clube uruguaio), durante a solenidade de apresentação de quatro locomotivas renovadas pela operadora Serviços Logísticos Ferroviários S/A. O ato contou também com a participação dos ministros Víctor Rossi, do Transporte e Obras Públicas; Carolina Cosse, da Indústria, e Liliam Kechichian, do Turismo.

O dirigente enfatizou que estão sendo realizados “investimentos milionários” para a recuperação do modo ferroviário. A operadora Serviços Logísticos Ferroviários S/A tem como proprietárias a AFE junto com a Corporação Nacional para o Desenvolvimento (CND), uma organização de direito público não-estatal, criada em 1985. Atualmente, o capital da CND é 100% do estado, mas existe a possibilidade legal de ampliação da participação privada para 40%. Em todas as suas relações com terceiros, da CND é regida pelo direito privado.

Restauração ferroviária. Com relação à restauração da infraestrutura ferroviária no país, Wilfredo Rodriguez observou que as ferrovias entre Rivera e Paso de los Toros e a linha Piedra Sola-Paysandú-Salto estão sendo recuperadas através dos Fundos de Convergência do Mercosul (Focem). Há uma chamada para licitação visando reabilitar a conexão entre Empalme Olmos (estação Víctor Sudriers) e a estação de Minas. Além disso, será construída a Ferrovia Central, havendo, para tanto, uma licitação em andamento para isso (Veja aqui).

SISTEMA DE CONTROLE POR SATÉLITE

Recentemente, houve assinatura do contrato entre a AFE e a empresa Alta Rail Technology – ART, instalada em Colombo, no estado brasileiro do Paraná, para instalação de um sistema que permitirá o controle por satélite de todas as ferrovias do país, podendo haver a operação de vários trens no mesmo ramal ao mesmo tempo.

A ART foi constituída em 2013 com a fusão de três empresas de tecnologia ferroviária, a ALL Rail Tech, a Daiken e a Engesis, que desenvolveram tecnologias baseadas no e para o modelo de negócio implementado na America Latina Logística (ALL),

A nota oficial sobre a aquisição informa que até agora o Uruguai trabalha com a metodologia do “bloqueio total”, o que significa que enquanto um trem estiver viajando em uma seção da pista, nenhuma outra formação poderá entrar nessa área de operação.

O site da ART explica que a solução da empresa denominada Enhanced Train Control (ETC) combina tecnologia embarcada e software de centro de controle para fornecer às ferrovias uma solução completa de controle de tráfego tanto para ambientes sinalizados quanto para ambientes ‘escuros’. A solução conta com uma infraestrutura de comunicação (satélite, rádio, GPRS, 3G) que transmite digitalmente as informações da autoridade responsável pela movimentação do trem para o trem. Os custos de implantação seriam reduzidos porque o ETC pode ser operado sem a instalação de qualquer equipamento adicional à beira do caminho.

Veja também

Por